Profeticos 2.0

Comunicado

Posted in Uncategorized by profeticos on janeiro 16, 2010

mudança

Para melhorar um monte de coisas, migrei o blog para o endereço novo e não teremos mais tirinhas aqui.

Visite! Obrigado! =P

www.profeticos.net

Business

Posted in Uncategorized by profeticos on novembro 24, 2009

Business

Uma tarde quente como sempre em Hortolândia, mais um que dá esmola para o “Amizade”, andarilho conhecido por seu sorriso fácil e papo agradável.

Eu quero saber dele porque sorri tanto mesmo sem nenhum luxo ou expectativa de melhora.
Me aproximo com receio, dou uns trocados e puxo papo, ele é muito amistoso, me senti como se estivesse numa sala confortável e arejada, mas sabia tanto quanto ele que estavamos no cruzamento da Av. da Emancipação com a R. das Flores e o semáforo de lá não estava lucrando como o Amizade esperava.

Perguntei se ele tinha família ou amigos e ele me respondeu com um sorriso largo.

_ Toda planta tem raíz, parceiro.

Nessa hora passou um homem que não retribuiu o cumprimento do Amizade, mas o mendigo continuou.

_ Tá vendo esse cara? Eu era assim, tinha responsabilidades, era mal-educado com quem eu não conhecia, enfim, estava preso nas minhas raízes.

Já não sorria tanto, o Amizade.

_ Não foi por querer que eu vim parar aqui não. Eu perdi tudo que as pessoas dão valor, dinheiro, casa, emprego, tudo. Minha mulher já não me achava atraente, meu patrão já não me achava competente e assim foi, até aqui.

Perguntei como ele perdeu tudo.

_ Eu não perdi tudo, só o que as pessoas dão valor… Tudo bem , eu conto, foi assim. Quando querem tomar seu dinheiro, tomam, não tem jeito. Me roubaram no jogo, eu bebia muito, não percebi que me fizeram pensar que era um blefe deles, aí apostei alto, eu tinha certeza que era um blefe e como vê não era. Me lasquei.

E sorriu de novo.

_ Cara foi aí que eu percebi como o mundo é podre, eu estava jogando entre amigos e me roubaram. Minha mulher fingiu estar furiosa e foi embora, graças a Deus.

Eu que sorri nessa hora.

_ É engraçado mesmo, minha mulher não me amava, acho até que casou com um dos caras que me roubaram, VACONA!

Nós dois sorrimos.

_ Na rua eu não tenho que aguentar meu patrão cobrando relatórios e resultados nem minha mulher com crise existencial e TPM, quem se aproxima de mim não está tramando me derrubar, hoje eu não alimento inveja no coração de ninguém. Isso não é bom?

Concordei mas o cara estava empolgado.

_ Roupas, eu ganho da D. Amelia, ela sempre separa roupas usadas do seu filho mais velho, banho, eu tomo uma vez por semana no buteco do Seu Jorge, ele não gosta muito da minha pessoa, mas temos negócios.

Nem precisei perguntar quais negócios.

_ É o seguinte, eu chamo aquilo de buteco, mas aquilo é um restaurante e dos bons, só vai grã-fino, então eu fico lá na frente gritando assim:

_ Ô seu Jorge, cadê meus gatinho? O senhor roubou meus gato, Safado!!! Pra fazer Strogonoff!!! Fritou os bichinho.

_ Tem freguês que ri, mas a maioria vai embora por que acredita no mendigo aqui. Quando eu tô lá na frente ninguém entra lá, caso a estória dos gatos não venha a dar certo eu finjo que estou passando mal e começo a vomitar, quer que eu te mostre?

Neguei prontamente enquanto ele enfiava o dedo na garganta, depois perguntei se o “Seu Jorge” não chamava a polícia.

_ Eu também tenho negócios com a polícia, eu passo informação sobre os traficantes, em troca eles garantem que nada me aconteça enquanto eu procuro meus gatinhos lá no buteco do Seu Jorge.

Mas eu ainda não tinha entendido os negócios dele com o Seu Jorge.

_ Bom, presta atenção, eu espanto a clientela do Seu Jorge e a polícia me defende. Não adianta. O seu Jorge fica na minha mão, então eu almoço, janto e tomo banho lá, ele diz que eu posso tomar mais banhos se eu quiser e até fazer a barba, mas, eu só escovo os dentes. Já imaginou? Como eu iria espantar os clientes estando limpo e de barba feita? O seu Jorge é velhaco.

Eu já estava saindo quando ele disse uma última coisa.

_ Eu sorrio porque sou feliz e sou feliz porque eu sei o que eu tenho, eu sei o que eu quero e sei do que eu preciso.

O cara é um sábio, pensei, quantas vezes eu me vi sofrendo querendo algo de que não preciso e esquecendo o valor das coisas que tenho.

Posted in Uncategorized by profeticos on outubro 11, 2009

A história de como virei humorista

Antes de contar como virei humorista preciso contar do caminho, de tudo que me levou até a esse ponto.

Eu era um maníaco sexual, todas as minhas atitudes procuravam sexo, tudo era flerte e tudo levava-me a conquistar uma mulher. Ou a tentar.

E enquanto eu conseguia saciar meu vício eu não notei o problema, o viagra sempre foi meu amigo e o único problema que tive foi quando eu não consegui mais arrumar mulher.

Fui numa terapeuta, fiz questão de que ela fosse mulher e bonita. O duro é que ela era competente também, me indicou um hobby e eu pedi uma sugestão:

– Cultive flores!
– Se eu virar um jardineiro, você sai comigo?
– Se você virar mulher eu talvez saia.

E ficou me olhando com aquela cara de pouco profissional, acho que ela também precisa de terapia.

Enfim, minha nova terapeuta era competente também. Hétero e feia, fiz questão.

– Chamou sua última terapeuta pra sair, não é?
– Ela te disse?
– Entre outras coisas…
– Mas ela pelo menos tem bom gosto.

Não consegui disfarçar uma risadinha.

– Tenho um tratamento para seu caso, um confronto radical com sua obsessão.
– Confronto radical?
– Transar além de suas forças, até enjoar…
– Mas isso pode durar dias, que mulher concordaria?

E ela fez a mesma carinha de pouco profissional da primeira terapeuta.

E contando essa história para amigos muitos riam, acabei me divertindo também e ainda arrumo umas gatas com o status de comediante.

Sabe como é, as mulheres gostam de quem as faz rirem.

Profissão: Ex-BBB

Posted in Uncategorized by profeticos on agosto 28, 2009

Podemos até dizer que eles são oportunistas, mas não podemos condená-los por isso. Quando o Reality Show chegou ao Brasil, através do Pioneiro e Oportunista Mór Silvio Santos, percebemos que vários artistas aproveitaram para sair do ostracismo e ganhar um fôlego na mídia.

Para alguns foi um tiro no pé, Bárbara Paz participava de alguns filmes interessantes e tinha certo trânsito na Globo, podia aparecer numa novela e fazer uma carreira com seu sorriso maroto, mas a Casa dos Artistas manchou seu currículo e fechou a porta da emissora do Rio para ela. Leandro Lehart também decaiu tanto que podemos dizer que ele era mais famoso antes do programa.

Outros se mantiveram no mesmo nível de fama: Nana Gouveia, Matheus Carrieri, Mari Alexandre e Alessandra Scatena fizeram volume e a chance passou.

Já Alexandre Frota e Supla ressurgiram das cinzas, foram polêmicos e fizeram uma grana com a fama forjada. Hoje nenhum aparece tanto na mídia por seus talentos, mas conquistaram a estabilidade da carreira. Para o caso deles foi vantagem de negócio, acreditem.

Depois disso a Grandona do Rio lançou a versão oficial e legalizada do programa, idealizado pela Endemol, e obteve muito sucesso de audiência e renda. Fez algumas adaptações, processou os concorrentes e meio que monopolizou o formato nos próximos anos mantendo um certo lucro na relação custo/benefício do programa.

Mas a fonte secou.

Com quedas exponenciais de audiência (e renda) chegaram a cogitar o fim do BBB, um alívio para muitos e um fato como outro qualquer para a maioria.

Mas aí somos surpreendidos com A Fazenda, fazendo tudo de novo, celebridades pouco conhecidas, jornalista de apresentador, polêmicas e todas as contra-indicações de um reality show em horário nobre. A surpresa não foi a reciclagem e sim o sucesso do programa. Gerou notícia, patrocínio, audiência, críticas e celebridades instantâneas. Tudo que um “bom” reality show tem.

E quem será a nova Sabrina Sato para sobreviver ao vai e vem da maré de sucesso forjado? E qual será o “novo” programa idêntico ao de 10 anos atrás? E quem é que está assistindo ao No Limite?

Por isso que eu bebo nessa vida.